Conto de Zoofilia; Eu e meu Pastor Alemão

Há dois anos atrás fui morar sozinha por alguns motivos de família e pela cede de independência. Sempre fui uma garota meio que problemática, como diziam meus pais, gostava de ter tudo o que eu quisesse e mesmo assim parecia nunca estar satisfeita com nada. Hoje em dia eu até concordo com isso, eu tinha tudo na casa de meus pais, mas mesmo assim não me contentei e procurei uma casa para morar sozinha. Meus pais ficaram muito desapontados, mas mesmo assim me entenderam e faziam de tudo para que eu pudesse ter uma vida boa, se preocupavam com minha segurança, bem estar, e situação financeira.

Eu sempre fui daquelas pessoas que gostava de curtir o momento, fazer as coisas que me trouxesse felicidade no presente, o mais importante na minha opinião.

Gastava muito dinheiro com besteiras, roupas, bebidas, casas noturnas, danceterias, coisas supérfluas… e já estava na hora de eu saber me controlar para viver sozinha sem passar necessidades. Eu bebia muito, saia com meus amigos na madrugada, voltava sempre muito tarde e bêbada, as vezes acordava com homens desconhecidos em meu quarto, eu ficava muito apavorada quando sóbria por perceber que esses meus atos podiam me trazer coisas horríveis como uma doença, ou até uma gravidez indesejada…eu tinha consciência quando fazia essas coisas, mas o meu problema é não conseguir dizer um “não”, sempre me entregava pra qualquer um que quisesse me possuir, gostava de me sentir uma verdadeira piranha, trazia qualquer um pra minha casa para me comerem como quisessem.

Meus pais preocupados com a segurança da minha casa, sabendo que eu estava sempre sozinha, me deram o cão Pastor que tínhamos numa chácara nossa, ele era grande mas dócil, já era acostumado comigo, mas com pessoas estranhas ele se tornava um leão!

No começo foi difícil para acostumar-me com aquele cão na minha casa…as vezes quando chegava com algum homem para transar na minha casa à noite, ele virava um fera e era quase impossível a entrada da pessoa em casa. Depois me acostumei muito com meu cachorro, o “Boy” e ficamos muito amigos, ele ficava sempre comigo, dormíamos juntos pois eu tinha muito medo de ficar sozinha, quando eu trazia algum cara pra trepar comigo, Boy ficava junto no quarto e ficava observando deitado com a sua língua salivando, como qualquer cachorro fica, mas era engraçado, a impressão que eu tinha quando ele olhava eu trepando, é que ele estaria morrendo de tesão querendo me comer também…toda vez que eu terminava de trepar, eu levantava da cama, fazia um cafuné na cabeça dele e ele logo saia do quarto.

Num certo dia numa das minhas transas, eu havia já tomado cerveja e vinho, mas estava bem. Lembro-me que era um negro muito feio, e desajeitado que eu estava transando, mas foi incrível!!! Quando eu olhava pro Boy, sentia um tesão muito grande por ele estar olhando, e comecei a meter como nunca com esse cara negro, cavalguei muito, de frente e de costas, com aquele pau enorme típico de um negro, meteu na minha xana enquanto eu ficava de 4, ele me fodeu muito aquele dia e eu gemi muito, eu percebia que quando eu gemia, Boy inclinava sua cabeça pro lado e me olhava com uma carinha de dó, em uns momentos lambia seu focinho como se tivesse acabado de devorar um enorme filé. Fui ficando muito excitada com aquilo e gozei muito enquanto aquele negro com aquele caralho enorme e grosso me fodia sem dó. Ora na buceta ora na boca, logo no fim, ele me virou de 4 outra vez e fodeu meu rabinho. Nunca tinham me enrabado com uma rola daquelas!! Eu chorei muito e gritei, o Negro não enfiou toda a rola, pois estava doendo muito e ele percebeu, mas mesmo assim ficou bombando até que soltou um jato de porra no meu cu, logo ele tirou e começou a bater uma até espirrar todo o resto nas minhas costas, meu tesão ainda não havia acabado, fiquei deitada na cama por algum momento enquanto aquele baita negro com aquele caralho enorme e ensopado colocava sua roupa e se retirava de minha casa. Não me agüentei de tesão e virei-me para meu cão, abri as pernas e enfiei meus dois dedos na minha buceta e comecei a massagear, Boy continuou olhando parado, comecei a gemer cada vez mais alto e Boy mais que depressa pulou na minha cama. Com um pouco de esforço empurrei aquela enorme cabeça de um Pastor Alemão perto de minha buceta quando ele sentiu o cheiro, já não tinha o que o tirasse de lá, primeiro ele cheirou minha buceta, depois lambeu, salivou e não parava de jeito nenhum, o safadinho fazia melhor que qualquer homem por aí, eu por incrível que pareça fiquei doida de tesão por aquele animal, logo percebi que o seu pau estava saíndo pra fora, muito vermelho e cada vez maior. Aquilo até me assustou, eu nunca tinha visto um caralho de cachorro totalmente pra fora e daquele tamanho!…enquanto ele continuava e lamber minha buceta toda melecada eu passei minha mão por debaixo de suas patas e agarrei aquele caralho vermelho e cheiroso, como eu sempre o deixava, estava muito duro, fiz uma punhetinha e ele parou de me chupar, ficou parado e curtindo a punheta. Vagarosamente passei minha cabeça por baixo das patas, mas ele ficou inquieto, então o deitei e seu cacete ficou apontado para cima….então me deliciei…..chupei até não querer mais…..e minha buceta latejando e escorrendo…….passei minha perna sobre ele e logo começou a lamber todo meu gozo, ficamos ali no 69 por um bom tempo…….quando me virei e fiquei de 4…pensei que ele não fosse entender, mas foi incrível, como um cachorro grande teve muita facilidade, apertou muito forte com suas patas na minha cintura e começou a meter na minha buceta, tive que ajudar na mira, mas foi uma delícia….ele meteu muito, me senti a maior cadela do mundo!!!, tirei seu pau da minha buceta e mirei no meu cu, que estava meio arrombado por aquele negro, então foi fácil, entrou rápido apesar de estar ardendo um pouco, mas ele meteu com mais facilidade ainda…depois de algumas metidas senti que Boy foi ficando cada vez mais afobado e deu uma parada, quando senti um jato quente dentro de meu rabo….e eu gozei feito louca como uma cadela de verdade, tirei rápido e mirei o pau dele na minha cara e fiquei batendo uma pra ele até saírem todos os outros jatos, que foram grandes para um cachorro, e me deliciei com aquela porra nos meus lábios e pescoço, rapidamente Boy lambeu toda a porra que tinha escorrido, lambeu meus seios, que até balançaram, minha boca e minha xana.

Depois disso tive alguns problemas com o Boy, mas ninguém nunca soube dessa história, então, quando ou ia trepar com outros homens, Boy ficava pra fora e só entrava depois pra lamber a porra que ainda ficava escorrendo da minha buceta e de meu cu, e quando iam visitas em minha casa, eu ficava constrangida, pois quando ele sentia vontade de trepar comigo ele vinha na frente de quem fosse com aquele caralho vermelho pra fora….então eu tive que sempre deixa-lo na corrente, preso. Evitei deixa-lo meter e mim, pois fiquei com medo de isso trazer algum problema, sei lá, alguma doença, então, depois desse dia ainda cheguei a fazer umas chupetas nele, mas meter, enquanto eu estiver lúcida , não deixarei mais!

Fonte; Casa dos Contos.