Contos de zoofilia; A garotinha e seu cachorro

Chegou na clínica uma menina, uns oito anos, talvez menos, com um Basset Hound para vacinar e vermifugar. Ela morava na casa ao lado da clínica e me chamava sempre de “tia”. Eu estava sozinha e falei para ela voltar mais tarde deixando o cão ali. Logo que ela saiu, vacinei e tratei dele e, passando a mão, notei que ele estava meio excitado. Normalmente esta raça tem pau grande e grosso e, na hora, me deu uma tesão louca. Aí, fechei a porta da sala, tirei a calça e me deitei de costas abrindo as coxas, e chamei o cão que veio e logo começou a me foder, acertando rapidamente em minha buceta. Como eu pensara, o cacete dele era enorme e foi engrossando lá dentro. Não é sempre que deixo ir o nó, mas desta vez foi, o que significava, pela grossura, que ficaria engatada uns 30 minutos. Ele começou a esporrar e ficou quieto, saindo de cima de mim e ficando meio de lado, mas preso pela pica em mim. Fechei os olhos gozando muito e esperando calmamente ele desengatar. Quando ouvi alguma coisa, entreabri os olhos e vi que a menina tinha voltado, a porta estava mal fechada e ela tinha entrado na sala e estava olhando fascinada o que acontecia, com a boca aberta. Resolvi ficar bem quieta, mantendo os olhos fechados, como se não soubesse dela ali. Olhei disfarçadamente de novo, ela estava respirando mais forte, vi que ela continuava olhando o cachorro engatado em mim, mas estava com a mão enfiada na bermuda e se masturbava. Ela gozou sempre em silêncio, eu me mexi como que acordando, ela saiu rápido dali. Logo eu me desengatei, me ajeitei e levei o Basset para fora. Ela estava com o rosto afogueado, mas não falou nada, somente pagou a vacina e foi embora. No dia seguinte, à tarde, o celular tocou. Atendi e era ela, falando meio chorando, e, pelo tom de voz, desesperada: “Tia, vem aqui em casa que aconteceu uma coisa e eu preciso de você, só de você. Me ajuda, tia!” Assustada, corri para lá, a porta da frente estava trancada, tive de ir pelos fundos. Cheguei no quarto dela e a vi presa no cachorro, como ela tinha visto acontecer comigo. Ele estava de costas para ela e da bucetinha dela estava aparecendo só o toco do pau dele. O nó estava dentro, firmemente engatado. Só que ela era pequena, o pau do Basset era enorme e tinha feito um estrago na xoxota dela que sangrava e de onde saia esperma do cão, escorrendo no chão que estava todo melado. Peguei água bem fria e joguei um pouco sobre a base do pau dele para sair, assim mesmo demorou bastante. Ela chorava e pedia para eu não contar para ninguém, o que eu prometi. Acalmei-a e assim que desengatou, lavei bem sua bucetinha e conversei bastante com ela. Falei que a tinha visto na sala no dia anterior, que eu fazia assim com animais, mas ela era muito nova, não deveria fazer aquilo. Ela falou que doera no início mas depois foi gostoso. Aí, na hora que engatou e ele virou é que começara a ficar difícil e ela resolveu pedir ajuda à única pessoa que sabia que a entenderia. Foi uma situação muito complicada porque a gente faz coisas assim, mas quando uma menina de oito anos, por me ter visto ser comida pelo seu cão, resolve fazer igual, fica, como ficou em mim, um peso na consciência. Ontem encontrei-a e ela falou que não tinha feito mais, mas agora vou ficar em duvida bastante tempo, porque, por minha experiência, eu sei que ela vai voltar a dar para o cachorro. Por via das dúvidas, ensinei a ela que, se acontecesse de novo, ela ficasse bem calma e relaxada até sair sozinho.

Fonte; Casa dos Contos.