Contos de zoofilia; Férias inesperadas

Tudo veio a acontecer no último verão, após mais de 1 ano de trabalho árduo onde eu me estressei aos montes, tirei minhas merecidas férias, infelizmente isso aconteceu num momento em que eu tive uma briga conjugal, provavelmente isso veio a acontecer devido ao meu estress e também ao desgaste de nosso casamento, o que me veio a idéia de propor que eu e minha esposa passássemos férias em separado para que nós tivéssemos tempo de refletir sobre uma possível separação ou não, mas vamos aos fatos.

Marquei minhas férias e de imediato fiz reserva em um hotel fazenda no interior do estado onde moro, para lá passar uns 15 dias de relaxamento e também aproveitar e refletir sobre minha vida conjugal.

Parti da capital em direção ao hotel no inicio de março passado, era ainda uma

época quente onde eu poderia desfrutar de boa temperatura, gozar os prazeres de uma fazenda com piscina, rios e águas cristalinas, cavalgadas, etc…, bem enfim tudo que um hotel fazenda poderia me proporcionar de bom, mas nem me passava pela cabeça o que poderia vir a acontecer.

Cheguei ao hotel no final da tarde, fui muito bem recebido pelos empregados onde fui conduzido ao meu quarto, que tinha uma vista privilegiada das montanhas com toda sua força, um verde maravilhoso das matas cortadas por diversos regatos e rios que rodeavam o hotel.

Após o segundo dia de estadia eu já conhecia todos do hotel, desde os empregados e mais alguns hóspedes deste hotel, já não eram muitos devido ao início das aulas escolares, notei que tinha uma mulher que estava da mesma forma que eu, só. Tentei de várias formas ter um contato com esta morena trintona e não havia jeito de manter uma conversa, ela sempre desviava e se mantinha isolada dos demais.

No quinto dia eu notei que esta morena saía cedo para uma caminhada, e procurava as trilhas menos usadas que eram muitas, e sempre acompanhada de 2 cães da raça dog alemão. Ao perguntar sobre ela a um funcionário este me afirmou que ela era a proprietária do hotel e que ela fazia estes passeios todos os dias, e levava ao animais para segurança dela, pois ambos animais eram treinados, esta morena era a única pessoa que eu ainda ñ tinha conhecido devidamente.

Dia seguinte me levantei bem cedo para seguir esta morena, ela não era uma princesa, tinha até um corpo bonito, mas nada de pudesse colocá-la numa passarela.

Ainda era muito cedo quando eu vi esta morena saindo do hotel em direção as trilhas e como de costume em companhia dos animais, de longe fui seguindo seus passos sempre procurando manter uma distância que por mim eu julgava segura, caminhamos uns 3 quilômetros pelas trilhas, onde chegamos em uma cachoeira linda de águas cristalinas, ate parecia um lugar mágico onde se reuniriam em assembléia. Já havíamos caminhado por 1 hora em marcha rápida, o calor tomava conta do corpo, mesmo assim eu mantive distância e às escondidas eu fiquei observando esta morena. Ela foi tirando o pouco de roupa que usava, e num golpe ela mergulhou no rio procurando se refrescar, os cães ficaram a sua espera ao lado das roupas que ela havia deixado, em poucos minutos ela foi saindo e deixando seu corpo desnudo a minha vista, apesar de sua idade sua pele era linda, mesmo de longe notava-se ser uma pele sedosa, bem cuidada, com uma mínima marca de biquine nos seios e na parte de baixo. Até aí eu não havia visto nada de mais, era tudo normal, então ela se sentou sobre a bermuda, se recostou numa pedra que mais parecia ser feita para ela, escancarou as pernas e chamou Dreifus ( um dos animais ), este se pos a lamber sua boceta no início lentamente e logo em seguida como se já sabia o que viria a acontecer, começou a lamber mais rápido, ela curvava-se para traz com os olhos fechados, sempre acariciando a cabeça do animal, eu notava o prazer que este cão estava proporcionando a ela, em pouco tempo ela gemia, sua respiração estava totalmente alterada, enfim em poucas lambidas esta morena estava tendo orgasmos, o cão não parava de lamber sua boceta, e a cada lambida ela se contorcia e gemia pedindo mais. Aos poucos ela foi se erguendo sobre a pedra de forma que pudesse ficar de frente para Dreifus, ajoelhada escancarou as pernas e puxou o animal sobre ela, com uma das mãos ela foi acomodando o colossal membro do cachorro na entrada da boceta, na primeira empurrada Dreifus mergulhou a metade da pica, e não parou mais ate chegar no final, eu olhava aquilo e não queria acreditar que ela estava com uma pica daquele tamanho acomodada em sua boceta, era muita pica pra ela, mas ainda faltava o caroço da geba, eu ainda não havia visto algo tão bizarro, o caroço mais parecia uma bola de tênis, aquilo foi sendo empurrado de uma forma brutal, desconfigurando os lábios da boceta, parecia que iam pular pra fora da boceta, e com muito prazer e heroicamente ela enguliu o caroço, aquilo sumiu dentro dela, ela não parava de gozar, o animal não parava de meter, parecia que era a última foda da vida dele, o outro cão lambia os seios, a barriga, a boceta, o que devia ajudar a lubrificar a entrada e saída do outro animal, enfim Dreifus foi o felizardo de hoje, assim presumi, os dois engatados Dreifus se virou conseguindo ficar numa posição melhor, ela já devia de estar acostumada e o cão também, passou mais algum tempo e Dreifus num golpe retirou o que mais parecia ser um bastão, devia ter uns 25 centímetros e muito grosso, começou a escorrer uma torrente de gozo do animal, o outro animal continuava a lamber sua boceta deixando ela em mais um gozo infernal.

Eu após ter presenciado tudo isso fui saindo de fininho, procurando não fazer barulho nenhum, já bem distante dos protagonistas eu me coloquei a meditar no que levaria uma morena como ela a fazer isso, ter relação com uma animal.

Ao termino de minha estadia tive o prazer de ver outras vezes a mesma cena, eu ate me estranhei, porque isso me deixava exitado ao mesmo tempo, enfim minhas férias chegou ao fim, foram 15 dias inesquecíveis e inesperados. Após me despedir de todos eu me dirigia a meu carro e numa rápida passada por esta morena ela indagou “gostou do que viu? “

Apenas confirmei que foram as melhores férias que já havia tido, e que iria recomendar a meus amigos e que também eu voltaria em minhas próximas férias.

Em casa cheguei totalmente descontraído e sabendo o que eu faria de meu casamento, claro que mantive o casamento.

Fonte; Casa dos Contos