Contos de Zoofilia; O cachorro abandonado

Sou morena, 1,70 m, peitinhos firmes, corpinho escultural e uma bunda de dar inveja, moro sozinha a 04 anos desde que minha família se mudou para o interior de Minas Gerais, a uns três meses atrás apareceu em meu condomínio um cachorro mestiço, de grande porte, muito dócil e brincalhão ele ficava andando pelo condomínio. Fez muito sucesso entre as crianças, na reunião do condomínio decidimos adotar o cachorro e construir um canil para abriga-lo e todos ajudariam na sua alimentação e higiene. Certa noite por volta das dez horas eu estava assistindo TV, e me sentia muito exitada, a seis meses não sabia o que era uma transa, vestia apenas uma camisola e uma minúscula tanguinha branca de nylon totalmente transparente e sem forro que deixa meus pêlos pubianos totalmente a mostra, ia iniciar uma masturbação quando começou a chover forte, lembrei que rock (nome dado pelas crianças) estava na chuva, pois seu canil ainda não estava acabado, levantei-me e cheguei da varanda de minha casa e chamei por ele, rapidamente ele apareceu e abri o portão para que ele entrasse, ele estava ensopado, peguei uma toalha e sentei no banco da varanda e comecei a enxuga-lo, senti que ele gostava muito quando eu passava a toalha por baixo, perto de seu pênis, comecei a ficar curiosa e por cima da toalha comecei a toca-lo no pênis, ele fez uma expressão alegre abanando o rabo e colocou as patas dianteiras sobre o banco, larguei a toalha e peguei no seu pau por cima da envoltura que o protege e comecei a fazer movimentos, ele ficou louco e seu pau vermelho e molhado começou a sair para fora, aumentei os movimentos e senti que ele gostava mais, seu pau ficou inchado e aumento inacreditavelmente de tamanho ficou só a metade para fora e outra metade com uma espécie de “bolas” não saía devido a proporção que seu pau tomou, parei um pouco e fiquei observando rock estava estático deliciando a punheta começou a jorrar líquidos do seu pau como se fosse uma seringa. Estava muito frio e chuva havia diminuído bem como o pau de rock, entrei deixando rock na varanda receosa de algum vizinho me visse com rock, sentia minha vulva molhada minha calcinha já estava toda ensopada, e eu cheia de tesão imaginando uma pau bem grande me invadindo então pensei, por que não o pau de rock? Já ouvi falar no assunto e sabia que era possível e não aguentando mais abri a porta e deixei rock entrar, sentei no sofá chamei rock, puxei a calcinha para o lado, sentindo o cheiro da minha vagina molhada rock começou a me lamber, lambia sem parar fiquei extasiada com sua língua rápida e macia, fiquei de quatro no tapete escorando-me no sofá e ele começou a me lamber de novo, ainda de quatro peguei suas patas dianteiras e fiz com que ele me abraçasse por traz com a mão direita alcancei seu pau e comecei a masturba-lo sem sair de baixo dele, senti que seu pau começou a crescer bem como minha vontade de ser comida, antes que seu pau inchasse e ficasse preso na envoltura, acelerei os movimentos fazendo com que ele ficasse todo exposto, rock começou a se movimentar também então deixei por sua conta larguei seu pau e deixei que ele trabalhasse sozinho ele se movimentava rápido, sentia seu pau passando na minha bunda e roçando minha vagina e no meu ânus peguei seu pau novamente que já estava todo para fora senti que era enorme devia ter de 17 a 20 centímetros direcionei para a entrada da minha vagina e deixei que ele enfiasse, ele enfiou tudo de uma vez fazendo movimentos por uns 20 segundos, senti aquele pau enorme e quente dentro de mim, com a mão pude sentir que entrou com as “bolas” e tudo segurei para que ele não saísse e comecei a movimentar os quadris e gozei. Que transa maravilhosa, deixei que ele saísse e tirasse seu pau de dentro de mim, só ai pude ver como seu pau era grande, me sentia bem, não senti dores com quando transo com homens, rock foi carinhoso, gentil e espontâneo não precisei força-lo, nesta mesma noite transamos mais três vezes ele tem um fogo enorme e supera qualquer homem que eu já transado. Hoje quando estou a fim de transar com ele é só chama-lo, transamos em várias posições e fiquei realmente adepta ao estilo, iniciante na Internet encontrei várias páginas sobre o assunto com fotos, filmes e relatos, estou providenciando um email para troca de material e que sabe até encontros com mulheres que apreciam para participarmos de orgias (somente com cachorros).

Fonte; Casa dos Contos.