Minha experiencia canina

Minha experiencia canina

2 de maio de 2021 1 Por zoofiliabestyalit

Eu era jovem, mas me lembro como se tivesse sido ontem… uma das minhas melhores amigas na época, Laura, tinha um cachorro da raça Labrador chamado Alfie. Um filhotão com um pouco mais de um ano e que era naturalmente um cachorro muito curioso e brincalhão. De fato, foi Laura quem primeiro colocou a ideia de zoofilia na minha cabeça.

Um dia estávamos no quarto dela, sentadas na sua cama conversando e Alfie deitado no tapete, pôs o pau pra fora e começou a lambe-lo. Eu apontei pra ela e comecei a rir, enquanto o cão lambia seu pau vermelho e duro. Laura então me contou sobre uma parente dela, uma prima distante, que havia tropeçado no tapete da sala e estava de saia sem calcinha por baixo e o cachorro pulou direto no meio das pernas dela e começou a lamber sua boceta na frente de toda a família. Rimos com isso mas tambem falamos como seria uma chupada de cão em nossas bocetas. Ficamos muito excitadas falando daquilo, Laura disse:

– ‘Há… um dia ainda crio coragem e vou experimentar’

– ‘E porque não experimenta logo?’ eu disse tentando incentivá-la

– ‘Há não… tenho muito medo ainda’ percebi que o seu medo era maior que o desejo

Eu tentei incentivá-la a experimentar, na verdade eu queria ver o cão chupando a buceta da minha amiga, mas ela me disse:

– ‘Porque você nao experimenta? Vai… eu to aqui pra te ajudar!’ ela devolveu o desafio

– ‘Não… hoje não, tambem tenho medo… rsss’

E assim terminou nosso papo sobre ser chupada pelo cachorro

Os pais de Laura são separados e naquele verão, Laura foi viajar de férias com o seu pai e a sua mãe trabalhava em tempo integral, então o cachorro ficava sozinho em casa o dia todo e, como eu morava perto, a mãe da Laura me pediu pra passar por lá de manhã e a tarde para dar uma olhada e alimentar o cachorro enquanto ela estava no trabalho.

Na metade da semana eu estava com muito tesão, as siriricas não me satisfaziam mais e decidi que era hora de experimentar algo novo. Então eu vesti uma saia curta, sem calcinha por baixo e fui até a casa da Laura logo depois do meio-dia, como normalmente eu fazia para deixar o cachorro sair pra brincar no quintal. Entrei e fui para a lavanderia onde eu sabia que o cão estava e libertei ele que correu até a cozinha. Neste ponto, minha boceta estava encharcada só de pensar no que estava para acontecer.

Alfie correu pela cozinha feliz e veio até mim, fazendo festa balançando o rabo e me cheirando. Nesse momento com o seu faro ele percebeu imediatamente que eu estava com tesão e molhada. Imediatamente ele enfiou sua cabeça sob a minha saia e eu senti seu nariz frio na minha boceta. Senti um choque, um arrepio intenso com o seu focinho frio em uma área tão sensível, ele lambeu minha boceta pingando de tesão.

Sua língua forte e áspera facilmente separando meus lábios e raspando ao longo da minha fenda, atingindo o meu clitóris e eu soltei um gemido alto. Alfie com certeza apreciou o sabor da minha xoxota, pois ele continuou a lamber minha boceta com maior rapidez. Sua língua empurrando com força contra meu clitóris a cada lambida. Algumas vezes, sua língua até entrava em minha boceta com força suficiente para lamber o meu interior.

Quanto mais o cão me lambia, mais minha excitação aumentava e mais liquidos escorriam de dentro de mim, fazendo com que o cão me chupasse mais ainda. Enquanto ele continuava a devastar minha boceta com sua língua forte e espessa, eu tive que me agarrar a bancada da cozinha para me apoiar, minhas pernas começando a tremer enquanto eu me aproximava de um orgasmo intenso. Soltando gemidos altos, comecei a estremecer. Aquela situação, a lingua áspera, aquilo tudo me atingiu e gerou um tesão que nunca tinha sentido. Com uma mão agarrando a cabeça do cachorro e, minha outra mão agarrando a bancada enquanto um poderoso orgasmo explodiu dentro de mim. O mundo inteiro ficou em branco enquanto o prazer passava por mim em espasmos fortes e intensos.

Eu sempre me molho muito quando gozo e quando meus sucos começaram a escorrer, Alfie me lambeu mais ainda, engolindo todos os sucos do meu orgasmo incrivelmente intenso. Com minha mão livre eu tentei empurrar sua cabeça para longe da minha boceta, porque o meu clitóris estava ficando muito sensível para sua língua forte e ápera. Enquanto minha outra mão continuava segurando o balcão porque eu ainda não confiava nas minhas pernas para me apoiar.

O cão era forte e estava decidido a me lamber até a ultima gota, eu não conseguia me livrar dele, quando eu afastava ele de mim ele voltava. Então consegui escorregar meu corpo até o chão e desabei com minhas costas escoradas na bancada da cozinha sentada no piso consegui fechar minhas pernas. Assim eu consegui afastar o cão da minha buceta para poder recuperar o fôlego.

Quando ele virou de lado e vi a ponta de seu pau vermelho saindo de sua bainha. Embora tivesse gozado meu tesão estava a mil, eu sabia que não podia ficar apenas na lambida, eu estava com muito tesão, eu queria mais, eu queria aquele pau dentro da minha boceta, eu não podia esperar mais, eu tinha que dar pra aquele cachorro.

Eu fiquei de joelhos no meio do piso da cozinha e, puxando minha saia para cima para dar a Alfie acesso completo. Virei a bunda pro lado do cão como uma cadela. Ele levou alguns segundos me cheirando. Cheirou meu cu e minha boceta, lambeu um pouco por dentro das minhas coxas o suco do meu gozo, e enfiou o focinho frio no meu cu, o que de deu um tesão incrível. Passado esse ritual ele finalmente saltou e montou em mim. Seu pau cutucando a parte de trás das minhas pernas enquanto ele tentava acertar o meu buraco.

Senti uma pontada no meu cu e senti o pau resvalar pra cima no rego da minha bunda e, rapidamente estendi minha mão para trás e direcionei o pau do cachorro para o buraco correto. Assim que o pau dele tocou minha boceta molhada, ele avançou pra dentro, forçando todo o seu comprimento profundamente em mim em um só impulso. Soltei um pequeno grito, metade prazer e metade pela dor do choque repentino do seu pau enorme me enchendo a boceta.

Instantaneamente, ele começou a me foder. A dor rapidamente foi sendo substituída por puro prazer enquanto seu pau duro e grosso bombeava implacavelmente em mim. Alfie era uma máquina de foder, ele parecia uma britadeira batendo no meu rabo. Eu cai sobre os meus cotovelos gemendo como uma puta e, o cão não diminuiu o ritmo um segundo sequer, a pressão já começando a crescer em direção a um segundo orgasmo.

Lentamente eu senti seu nó inchar dentro de mim enquanto ele continuava a me foder como uma máquina. Seu nó empurrando em mim e esfregando contra meu clitóris com cada impulso. Meu segundo orgasmo explodiu pelo meu corpo, minha boceta encharcou em espasmos apertando em torno de seu pau, fazendo seu nó inchar ainda mais dentro de mim e pressionar contra meu ponto G enquanto um dos orgasmos mais fortes da minha vida percorreu o meu corpo.

Eu podia sentir cada centímetro de seu pau latejando e pulsando por dentro enquanto ele começou a atirar esperma quente no meu útero. Era muito esperma, quente como um rio de lava dentro de mim, isso fez ampliar o meu já poderoso orgasmo em uma longa sessão de pura felicidade e prazer. Eu caí de cara no piso da cozinha, gemendo e babando como se estivesse tendo um ataque de epilepsia.. Orgasmos múltiplos, quando um orgasmo começava a passar, outro explodia dentro de mim. Eu caída de bruços no piso da cozinha com a bunda arrebitada, fiquei engatada pela buceta no nó do cachorrro. Lágrimas escorriam dos meus olhos, eu respirava com dificuldade tamanha foi a intensidade da foda.

Foi uma coisa um pouco dolorosa. Nós passamos cerca de 10-15 minutos engatados juntos, durante os quais eu tive mais um orgasmo incrível até que seu nó finalmente encolheu o suficiente para sair de mim. Com um som tipo ‘PLOC’, e um rio de porra escorreu da minha buceta no chão da cozinha. Alfie lambeu um pouco a minha bunda e minhas coxas e depois deitou num canto e começou a se lamber.

Meu corpo inteiro estava dolorido de tanto transar. Enquanto eu olhava o cão lamber o próprio pau, pensei como seria chupar aquele cacete canino, colocar em minha boca, provando seu esperma quente enquanto eu lambo e chupo seu pau. Mas isso deveria ficar pra outra hora, agora estava satisfeita, bem comida e bem gozada.

Finalmente me senti forte o suficiente para ficar de pé, meus joelhos ainda fracos por causa do sexo incrível. Deixei o cachorro sair para o quintal e limpei a bagunça que fizemos no chão da cozinha antes de ajeitar a minha saia e ir para casa. Minha boceta dolorida e ainda encharcada e cheia de porra de cachorro.